IMPRENSA

29Nov2016

Site Hospitais Brasil: Negros e homens com histórico familiar de câncer de próstata devem começar a prevenção mais cedo, alerta especialista



O câncer de próstata – condição que atinge uma glândula que só os homens têm e que fica na parte baixa do abdômen – é a segunda doença que mais mata no mundo e o segundo câncer mais comum entre os homens no Brasil, de acordo com o Inca – Instituto Nacional do Câncer.

O assunto, que ainda é tabu, vem à tona todo mês de novembro para lembrar a importância da prevenção e detecção precoce do câncer de próstata. De acordo com especialistas, ainda existe um certo preconceito por boa parte dos homens em realizar um dos principais exames para um diagnóstico mais preciso da doença: o “temido” exame de toque retal.

“No exame, o urologista toca a parte de traz da próstata, daí a enorme chance de sentir alterações, como os nódulos cancerígenos. É simples, demasiadamente eficaz e justifica o incômodo, que é muito mais sociocultural que físico”, explica Eduardo Starling, urologista do CECAM – clínica médica de São Paulo (SP).

Números alertam para diagnóstico precoce

Só neste ano, de acordo com o Inca, são esperados pouco mais de 61 mil novos casos de câncer de próstata no Brasil, reforçando a importância do diagnóstico precoce. “A estimativa para 2016/2017 é ainda mais assustadora: 420 mil novos casos de câncer no país. Já excluídos os de pele, a porcentagem dos mais frequentes em homens são os de próstata (28,6%), pulmão (8,1%) e intestino (7,8%)”, conta Starling, que também é mestre em urologia pela Faculdade de Medicina do ABC (FMABC).

A recomendação da Sociedade Brasileira de Urologia é que a partir dos 50 anos os homens façam exames preventivos, todo ano, de sangue e de toque. Os negros e os que têm pais, irmãos ou tios sanguíneos com a doença devem fazer mais cedo, a partir dos 45 anos. A etnia negra tem 1,6 vezes mais chances de ter câncer e os que têm parentesco, 2 a 3 vezes mais que os homens em geral.

Ainda segundo o especialista, “a ausência quase completa de sintomas da próstata e o alto índice de cura de seu tratamento em fase inicial, tornam uma campanha como a do Novembro Azul de suma importância ao chamar atenção para sua gravidade e acima de tudo seu sucesso terapêutico em fases iniciais da doença”, alerta Starling.

LER A REPORTAGEM NO SITE